Boletim Gestal #79

N.079 21/08/2012    
   

 

ANEEL altera as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica
• DVIX
• Gestão de eficiência energética
   é foco de novo padrão ISO
• Gestão da Qualidade de Energia Elétrica

Dois links interessantes para quem quiser saber mais notícias sobre energia elétrica:
Canal Energia
Energia Online

Bem vindos ao nosso BOLETIM INFORMATIVO o qual tem por finalidade divulgar aos nossos clientes e ao mercado em geral notícias sobre a GESTAL e sobre o segmento de energia elétrica.

Como vocês já perceberam nossos boletins sempre possuem uma informação  verdadeiramente exclusiva que nos diferencia de nossa concorrência além de apresentar novas tecnologias desenvolvidas com o intuito de economizar tempo e dinheiro dos consumidores finais, mantendo a mesma robustez e confiabilidade de sempre.

Boa leitura !

 


A DVIX Engenharia e Consultoria atua nas áreas de gerenciamento de energia elétrica e instalações elétricas e tem como missão oferecer soluções nestas áreas com confiabilidade, aplicando todas as normas técnicas e regulamentadoras em vigor e boas práticas relacionadas. Além disso compromete-se com o desenvolvimento sustentável e superação das expectativas dos clientes. Suas atividades tiveram início em junho de 2011.

Em agosto de 2011 o serviço de Gestão de Energia Elétrica da DVIX passou a ser adequado com o objetivo de atender aos requisitos da ISO 50001, norma lançada em julho de 2011 contendo procedimentos para o estabelecimento, implementação, manutenção e melhoria de um sistema de gestão da energia.

Desde setembro de 2011 que a DVIX passou a representar a GESTAL na região norte do estado do Paraná, creditada a realizar todo processo de implementação dos produtos (equipamentos e softwares), desde a identificação de oportunidades, especificação das aplicações e serviços até o comissionamento e pós-venda dos mesmos.

Simples e inteligente!

 

ANEEL altera as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica

A Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, por meio da Resolução Normativa ANEEL nº 479, publicada em 12/04/2012, revisou e atualizou a Resolução Normativa ANEEL nº 414/2010, que disciplina as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica e regula a relação dos consumidores com as concessionárias de distribuição de energia elétrica.

De um modo geral, as alterações tiveram por objetivo o aprimoramento e a adequação do regulamento com outras disposições normativas da agência, inclusive com a retificação de erros formais. Dentre as principais modificações, destacam-se as seguintes, com referência normativa aos dispositivos da Resolução nº 414/10:

- Nos casos de sucessão comercial, o benefício da sazonalidade será mantido (art. 10);

- O encerramento da relação contratual entre consumidor e distribuidora deixa de ser compulsório nos casos de interrupção no fornecimento de energia elétrica por 2 (dois) ciclos seguidos, devendo o consumidor ser comunicado com antecedência mínima de 15 dias (art. 70);

- Foi definido o prazo de 30 dias para o atendimento das solicitações de aumento de demanda (art. 63);

 

- Foi estabelecido o prazo limite de 60 meses para a cobrança administrativa das faturas em atraso e de 36 meses para a apuração, informação e apresentação da fatura ao consumidor nos casos de procedimentos irregulares ou deficiência de medição (art. 133);

- Os avisos de suspensão no fornecimento de energia passam a constar da fatura (art. 172);

- Foi definido o horário comercial como o período compreendido das 8 horas às 18 horas em dias úteis (arts. 172 e 176);

- As reclamações protocoladas pelos consumidores devem ser solucionadas em até 5 dias úteis (art. 197).

Gestão da Qualidade de Energia Elétrica

O assunto Qualidade de Energia Elétrica (QEE) tem sido, até então, um tabu para a maioria dos consumidores horo sazonais devido principalmente a três dificuldades relacionadas abaixo:

 Dificuldade de monitoração e registro da tensão devido ao custo elevado da maioria de medidores que contemplam oscilografia e memória de massa.

 Dificuldade em se situar devido à falta de um padrão normatizado semelhante àquele que existe para as variáveis de faturamento (consumo, demanda e fator de potência).

 Despreparo técnico para tomadas de decisões operacionais.

Talvez seja por estas razões que projetos de eficiência energética raramente contemplam aspectos de QEE, mesmo os mais complexos, apesar que evidentemente as variações da tensão , incluindo harmônicos, prejudicam as metas estabelecidas em tais planos a ponto de não se conseguir fazer o mesmo trabalho com menos energia.

Foi pensando nisso que a GESTAL desenvolveu um novo módulo para o supervisório SMART32 integrado ao medidor de qualidade de energia, de baixo custo, Multk NG que atende aos requisitos do PRODIST- Módulo 8 da ANEEL.

Esta ferramenta permite, dentre outras informações:

 Supervisão de Grandezas Elétricas
 Supervisão de Harmônicas até 40º ordem
 Supervisão de VTCD’s Variações Transitórias de Curta Duração -afundamento, elevação e interrupção de tensão com duração de 0,5 ciclo a alguns minutos.
 Supervisão DRP/DRC: Duração Relativa da Transgressão de Tensão Precária e Crítica- Indicador individual referente à duração relativa das leituras de tensão, nas faixas de tensão críticas, no período de observação definido, expresso em percentual.
 

Consulte nosso departamento de vendas

 

 


 

 

Gestão de eficiência energética é foco de novo padrão ISO

As medidas de eficiência energética passaram a ter desde junho de 2011 uma norma internacional de gestão aos moldes dos já conhecidos padrões de qualidade ISO.

A ISO 50001, anunciada oficialmente pela American National Standards Institute (ANSI) e que conta com a participação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) no seu desenvolvimento, pretende influenciar empresas para que estas alcancem uma redução de mais de 60% em seu consumo de energia.

À medida que os preços de energia crescem e os governos clamam por segurança energética, a demanda por ferramentas de eficiência tem se tornado cada vez mais evidente. “A eficiência energética às vezes é chamada de 'combustível esquecido', já que o assunto costuma ser ignorado nas discussões sobre fontes alternativas”, afirma o chefe do projeto Edwin Piñero.

A norma enfatiza a otimização contínua, com especificações para se estabelecer, implantar, manter e melhorar os sistemas de gestão de energia. O secretário-geral da ISO, Rob Steele, vê o processo como responsabilidade dos consumidores. “Organizações não podem controlar o preço da energia, as políticas públicas ou a economia global, mas podem melhorar a maneira com que usam a energia”.

A ISO 50001 é baseada nos mesmos elementos encontrados nas demais normas, sendo compatível com os selos ISO 9001 (qualidade de gestão) e ISO 14001 (gestão ambiental). Mais detalhes sobre o padrão estão no portal da ANSI.

Fonte: http://www.jornaldaenergia.com.br

Para ser removido de futuros correios simplesmente responda indicando no assunto: REMOVER.
Todos os direitos reservados. Copyright 2004 © GESTAL


Receba nosso Boletim



Seguir


Salve em favoritos